Vários

Filipa Sottomayor‘s collages represent a hyper reality dictated by her personal experiences, situations filtered through an hallucinogenic prism that reflects her life, her desires, doubts, loves and hates. These mixed media compositions are highly personal, allegories made out of magazine images; glamourised women, beautiful men, accessories, that weave complex narratives from Sottomayor’s life in an alternative universe that is more ideal, more mythical than the mundane state she lives in.

I get the impression that Sottomayor gets much pleasure out of creating these stories, these mythical re-tellings of her life. In a world of image saturation there is plenty of material to work with, to explore what she calls ‘telling what she feels inside, in her soul’  (Moray Mair – Mutantspace  http://www.mutantspace.com/filipa-sottomayor-collages-strange-allegories/ )

____________________________________________

We all create our own realities. We chat about the occurrences in our day to friends, sometimes they listen, sometimes they just pretend to be listening, muttering “mhmm” at the end of your sentences. Sometimes we take notice and over-embellish our mundane stories with the occasional fib to create a more interesting “reality.” Were David Lynch recounting our  lives on screen, said scenario would not be a problem. Viewers may not be entirely aware of what these realities may be but they sure as hell would be captivated.

Filipa Sottomayor creates her realities by embellishing her personal truths on canvas. The Lisborn native artist dedicates her life to creating striking collages narrating the episodes of her daily life in a highly imaginative form. Sottomayor’s mixed media collages verve beyond the realm of reality into her surreal subconscious, impossible to decode but irresistibly intriguing. She creates what she says she “feels in her soul.” Her mythical images are filled with parahuman figures, abstracted proportions, hidden meaning and female identity.

Images like “Ponta por onde se pegue” and “Lua Cheia,” all of her images in fact, are dominated by female figures, clear statements of Sottomayor’s personal identity. Her collages are distinct anecdotes of her life projected through a mishmash of clippings with a highly editorial feel— created by the presence of idealized, accessorized, female bodies, no doubt— but it is Sottomayor’s hallucinogen quality that separates her anecdotes from the typical editorial images her clippings originated from. The magazine

pages with the hot gal wearing the hot shoes on a hot car with the hot man: most of the time not a reality, nevertheless, we imagine them to be, we alter those images in our minds, in our hallucinations. (Stefany Turrado – Art Nouveau Magazine)

 __________________________

Portugal News

(Portugal News)

Her artworks are full of life, with collages where the expression is present in all forms. The combination between materials, old and new prints, bright colours and dark shades is remarkably done, displaying her wonderful art aesthetic. Every element is on its right place, with a remarkable attention to every detail, and with a touch of pop culture with titles that have clearly been inspired by today’s world. (Art Chez moi)

Uma exposição inteligente e ousada que, através da sátira, se debruça na vida do dia-a-dia da sociedade actual. Um RASGO no convencional! (Sofia Muller – Arte na Linha)

“A sensação “out of real” provém do não-mimetismo que povoa as suas obras, as personagens são credíveis no significado mas improváveis das mais inusitadas maneiras, surgindo com formatos quase alienígenas que se movem num espaço e tempo diferentes por entre a articulação de formas e cores provenientes da colagem e da pintura”.
(Sandra Archibald – Galeria Baga&Tela)

A mulher, apresentada em tons fortes e intensos, tema central desta mostra, é recriada e transfigurada nas suas múltiplas personalidades, sarcasticamente vestida, bela e sedutora, com olhares imensos e cheios de luxúria colados em caras propositadamente desfiguradas, um fio condutor ao longo das suas telas, que imprimem uma apelativa crítica ao mundo da Mulher. (Galeria PALPURA)

por Paulo Morais-Alexandre

Colagens com História

Nada na formação de Filipa Sottomayor a vocacionava para as artes plásticas, apenas uma necessidade imperiosa de comunicar, de transmitir, até de forma violenta o que lhe ia na alma. É aliás extremamente curioso que, à pergunta relativa à forma como descrevia a sua arte, tenha respondido que esta era como que um grito saído das suas entranhas que, de alguma forma, exprimia os seus sentimentos, até mesmo os mais bizarros. Há pois uma necessidade seminal de legar a todos as suas vivências e emoções.

Perante várias opções para veicular o que sente já foi feita a opção firme de essa manifestação se processar pela via plástica. Para corresponder a tal desiderato escolheu fazer a sua própria formação que passou por se exercitar no desenho e nas diversas técnicas da pintura em particular e da expressão artística em geral, começando fazer as primeiras experiências e a produzir as primeiras obras. Este percurso prático foi complementado pela visita a inúmeras exposições, museus e galerias de arte contemporânea nacionais e, sobretudo, internacionais.

A Arte de Filipa Sottomayor é do nosso tempo e escolheu como meio a utilização de técnicas mistas, onde a colagem é um elemento fulcral e onde entram variados materiais como a própria tela, o papel, a fotografia, elementos têxteis, etc.. Destes citem-se como fulcrais os recortes da imprensa que captam a espuma dos dias e que são sabiamente escolhidos para fazer parte de uma composição que os amplifica, tornando-os emblemáticos ou que, pelo contrário, os retira do contexto original, dando-lhe um novo enquadramento, um novo significado e uma nova razão.

Há também uma componente pictórica que não deve, nem pode, ser escamoteada e onde a superfície é um elemento fundamental, sendo marcada pelo pincel que aí deixa texturas que enquadram a composição e a enriquecem. Paralelamente as figuras que cria e que nos remetem para o ambiente dos sonhos não deixam de ser cativantes, algumas sensuais, enquanto outras são muito perturbantes.

Das obras expostas gostava de destacar duas em particular que considero exemplares da obra desta artista: As composições que designou por Adão e Eva e por Vénus. Será até interessante até fazer o seu confronto e a forma como foram resolvidas. Qualquer destas obras trata um tema que é recorrente na Pintura, a primeira desde os primeiros tempos do Cristianismo, sendo a segunda até mais antiga. Há efectivamente muitos registos da pintura do surgimento de Vénus na Grécia Antiga, nomeadamente sabe-se que terá existido uma mítica representação deste episódio da autoria do grande pintor Apelles. A referência mais próxima para estas obras surge na pintura italiana do Quattrocento, tendo obrigatoriamente que ser citada a representação de Adão e Eva por Massaccio na capela Brancacci em Florença e o Nascimento de Vénus pintado por Sandro Botticelli, embora a referência a uma pintura simbolista do século XIX não possa ser escamoteada e refira-se por exemplo a obra do grande mestre Bouguereau que foi também chamada à colação.

A autora não deixa de fazer um piscar de olhos subtil, obviamente, a estas célebres pinturas e até de as citar, mas o tratamento é heterodoxo. Há algo de muito pouco habitual na arte contemporânea: cada obra remete para uma história que faz parte do nosso património cultural, que já faz parte integrante dos nossos genes, mas, neste caso, ambas as histórias são reescritas e de uma forma completamente inédita. É pois extremamente estimulante fazer uma análise iconográfica das obras, ou seja, perceber o que está representado. Adão e Eva #mce_temp_url# são apanhados no momento em que o tempo parou. Ainda não estão expulsos do Paraíso, mas já foi cometido o pecado original, o momento chave em que pela primeira vez o ser humano foi confrontado com o preço da liberdade. A terrível ordem divina já foi dada e o anjo prepara-se para a executar. Há nesta Eva, bastante kinky por sinal, as marcas da clarividência de um futuro onde pecado e inocência se confrontarão e complementarão enquanto Adão parece conformar-se com a fatalidade do destino que lhe está cometido.

Quanto à Vénus, https://rasgo.wordpress.com/2007/09/02/199/ a Afrodite dos gregos, esta é representada de forma estranhamente sedutora. Relembre-se a sua história: Vénus nasceu da revolta de Cronos contra seu pai Urano. Este foi castrado por seu filho e viu lançados os despojos do seu sexo ao mar. Do contacto daquele com a espuma das ondas surgiu a mais bela das deusas do Olimpo, a mais formosa de todas. Nesta obra a imponderabilidade da deusa é claramente transmitida e um outro aspecto da sua história é também narrado: consta do mito que a sua beleza a todos cegava e que provocava a discórdia entre os deuses do Olimpo que tanto a desejavam, o que motivou o desagrado do primeiro dos deuses, Zeus, que a castigou. Mas a forma como a composição é resolvida não remete para a Grécia antiga, nem para o Renascimento e muito menos para a arte do século XIX, da mesma forma que não se possa considerar que seja uma representação intemporal. Trata-se de uma estética que é absolutamente moderna e pertence já ao século XXI. Pertence sem dúvida ao Futuro.

Gosto do futuro!



20 Responses to “Vários”

  1. Oi Paulo, tudo bom?

    Meu nome é Giovanna e eu estou me formando no curso de jornalismo esse semestre. O meu Trabalho de Conclusão de curso é um portal na internet sobre diversidade cultural na cidade de São Paulo. Estamos preparando um ensaio fotográfico sobre grafite. Gostaria muito de poder conversar com você e saber a sua opinião sobre essa forma de arte. O que você acha?

    Muito obrigada,
    Giovanna.

  2. Caro Paulo Morais… uma frase ultra típica de começo de uma carta. Embora esta (escrevinhação) o não seja. À Filipa Sottomayor já venho cumprimentando – faz anos – pelo seu trabanho no domínio (já devidamente seu) das artes-visuais 2D.
    Agora os cumprimentos vão para o crítico da obra recem exposta publicamente e que recebeu um merecido (surpreendente?)eco.
    E, eco de aqui ligado a eco de ali e acolá, temos o eco do (no)seu crítico. Crítico que se revela (ainda por cima & muito bem) também exegeta. E, de modo animado, natural, um exegeta da arte 2D que Filipa nos vem propondo.
    E… que mais poderei eu dizer ou fazer para mostrar o meu apreço(também) por Paulo Morais, o (também) jóvem entusiasta que tão bem demonstra a sua interpretação?
    Bem, meu Caro, também gosto do futuro… talvez esta a explicação para certa apologética de (algumas) Arte(S).
    Eduardo Sérgio

  3. olá Paulo, sou restaurador de obras de arte, pintor e escultor, tenho pintado alguns quadros com temas “religiosos” através de um estilo primitivo com arte de rua, gostaria que pudesse vê-los e comentar sobre, teria como? mandaria as fotos por e-mail, desd já muito obrigado pela atenção.

  4. Ola

    gostaria de lhe fazer uma pergunta. Qual a diferença entre pintor de quadros, de arte e artista plastico?

    Pra ser artista plastico precisa ter diploma? Não seria o caso de musicos e cantores que não têm diplomas, mas que são talentosos?

    Muito obrigado pela atenção
    Fabio

  5. Olá Paulo:
    Represento um artista plastico de Florianopolis. Como mostrar seu trabalho para um critico de arte avaliar?
    As obras estão no bog: http://www.artebaiao.com
    Abraços,
    Tânia

  6. BONS ARTISTAS É OUTRA COISA… PARABÉNS PELO TRABALHO MARAVILHOSO… DÁ SATISFAÇÃO VER PROFISSIONAIS SÉRIOS… DIVERSAMENTE DO QUE SE APRESENTA COMO ARTE NA UFSC, VEJA O CASO DO BOITATA IN(CAN)DE(S)CENTE DOS SRS. LAÉRCIO LUIZ & CESAR MARIANO… A MEMÓRIA DE FRANKLIN CASCAES DESRESPEITADA POIS USAM O SEU NOME COMO ITEM DE EDITAL… UM GANCHO PARA EMBOLSAR VERBA DO GOVERNO… BURRICE OU SAFADEZA?

  7. eu gostaria de te mandar o meu desenho pra vc ver se ficou bom. vc pode me passar seu email?

  8. Acredite em vc mesmo e siga em frente. Se for com a alma (apesar dela não existir) vc chegará à algum lugar. Talvez um beco sem saída. Não tem problema, é só voltar e tomar um outro rumo qualquer. Viva como uma obra de arte.

    http://www.jardimdasfotos.blogspot.com

    No-Name.

  9. Awesome, will be a daily visitor from now on!

  10. Wow Your site is of the chain

  11. Greetings! I’ve been following your blog for some time now and finally got the courage to go ahead and give you a shout out from Atascocita Tx! Just wanted to mention keep up the fantastic work!

  12. I am brand-new to blogging and in actual fact loved your site. I am going to bookmark your site and keep checking you out. Thanks for sharing your internet site.

  13. But wanna remark that you have a very nice web site , I like the style and design it actually stands out.

  14. Rattling excellent visual appeal on this site, I’d rate it 10.

  15. This is really a fantastic blog, would you be interested in doing an interview regarding just how you produced it? If so e-mail myself!

  16. hi, great post. i really admire your work

  17. Very quickly this web site will be famous amid all blogging visitors, due to it’s nice content

  18. Hi! Would you mind if I share your blog with my zynga group?

    There’s a lot of people that I think would really appreciate your content. Please let me know. Cheers

  19. I just want to tell you that I’m new to blogs and truly loved you’re blog. Most likely I’m planning to bookmark your blog . You definitely come with incredible posts. Many thanks for sharing your website.

  20. I’m not that much of a online reader to be honest but your
    sites really nice, keep it up! I’ll go ahead and bookmark your site to come back later on. All the best

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: